21 de ago de 2009

Macaco Pelado

[Clique para ampliar]

"The Naked Ape", o macaco nu, é um livro do Desmond Morris onde ele tenta uma abordagem da espécie humana como se fosse um observador de fora, um biólogo fazendo um estudo extensivo sobre um bicho qualquer - o que dá ao livro um sabor inusitado e leva a observações interessantíssimas. Começa assim: "Há 193 espécies de primatas (monkeys and apes). 192 delas são cobertas por pêlos. A excessão é um macaco pelado que se autodenomina Homo Sapiens. Se orgulha de ter o maior cérebro dentre essas espécies mas esconde o fato de que tem também o maior pênis." Aborda hábitos, crenças, comportamentos, tudo a partir do ponto de vista de um cientista. Às vezes viaja, mas mesmo assim mata de rir (me mata de rir, o livro é sério) – aliás, valeria colocar no prefácio a famosa frase do Millôr: “O homem é o único animal que ri. E rindo ele mostra o animal que é.”
Pois no meio da leitura me veio a lembrança de um meu professor, pernambucano, engraçadíssimo, que chamava os outros de “bípede”: pois o bípede falou isso, pois o bípede falou aquilo, o bípede teve a coragem de..., tem um bípede batendo na porta, etc. Já tratava os alunos como os macacos nus que éramos (e chamava o Clodovil de “bípede emplumado”). Pois dentre essa raça de macacos nus, os pernambucanos certamente são especiais – professores especialmente. Ariano Suassuna conta um caso de Tobias Barreto, que nasceu sergipano mas foi um dos maiores expoentes da Escola de Recife:
Tobias Barreto era negro, feio e pobre – uma barra pesada no final do século XIX. Fez concurso várias vezes para professor e era sempre preterido por causa do preconceito. Finalmente, os estudantes se levantaram e protestaram e ele finalmente foi aprovado – mas guardou uma grande mágoa dos colegas por conta desse episódio. E não perdia a oportunidade de contar que os professores seus colegas eram tão rotineiros, mas tão rotineiros, que um dia um deles contou uma piada em sala e todo mundo riu, menos um aluno, sentado no fundo. O professor ficou incomodado e perguntou:
- Você aí atrás, você não riu, você não achou graça não, é?
E o aluno responde:
- Né não, professor, é que eu sou repetente, já ri o semestre passado!

Um comentário:

claudia disse...

hi,hi,hi...me deu ate vontade de ler o livro novamente. Foi ele q liquidou de vez minha nocao de amor romantico quando o insensivel do autor 'revela' q o tal nobre sentimento nada mais e q uma estrategia p a preservacao da especie dos frageis e quase eternos bbs pelados! Hi,hi,hi...morreu uma ilusao e nasceu um quase fetiche por trogloditas...hi,hi,hi...