28 de out de 2009

O surgimento da Civilização Grega

 O surgimento da civilização grega representa o ponto de partida da civilização ocidental e uma ruptura com o padrão até então conhecido de organização social e política - baseado em monarquias e tiranias. Pela primeira vez na história humana, pensou-se nos princípios e direitos fundamentais do homem, assim como houve um método de educação generalizado e um princípio de valor, a arete, que podia ser adquirido por todos - aliás, derivada da observação nas Guerras Persas de que homens extraordinários surgiram de várias classes, lugares e formas de governo, então tais qualidades fundamentais que os fizeram extraordinários não eram imanentes ao nascimento, mas aprendidas - e se tal aprendizado pudesse se estender a outros, que magnífica criação tal educação não seria...
Não tive tempo de legendar (ainda) esses vídeos onde o Professor Eugene Weber fala sobre o surgimento da Civilização Grega. Conjuntamente ao curso do Professor Donald Kagan, de Yale, disponível aqui, fornece uma base de conhecimento bastante completa sobre essa civilização que é nossa avó e a pedra fundamental do humano - pelo menos do humano válido. Para quem entende inglês, links abaixo. E trecho da palestra do Prof. Donald Kagan:

"As muitas civilizações criadas pela raça humana têm partilhado características básicas. A maioria tem tendência para a uniformização cultural e estabilidade. A razão, embora tenha sido empregada para todos os tipos de efeitos práticos e intelectuais em algumas dessas culturas, ainda carece de independência da religião e de status alto o suficiente para desafiar as mais elementares idéias estabelecidas. A forma padrão de governo tem sido a monarquia. Fora do Ocidente, repúblicas são desconhecidas. Líderes são considerados divinos ou porta-vozes de divindades. Crenças e instituições políticas e religiosas foram exaustivamente entrelaçadas como uma estrutura unificada e se apoiam mutuamente. O Governo não tem sido objeto de análise secular fundamentada - tem repousado sobre autoridade religiosa, tradição e poder. O conceito de liberdade individual não tem importância na grande maioria das culturas na história humana.

A primeira e nítida ruptura com esta experiência humana comum surgiu na Grécia antiga. As cidades-Estado gregas chamados poleis eram repúblicas. As diferenças de riqueza entre os seus cidadãos eram relativamente pequenas. Não houve reis com a riqueza suficiente para contratar soldados mercenários. Assim, os cidadãos tiveram de travar seus próprios combates e decidir quando lutar. Como defensores independentes da segurança comum e do interesse comum, eles exigiram um papel mais importante nas decisões políticas. Desta forma, pela primeira vez, a vida política realmente foi inventada. Observe que a palavra "política" deriva da palavra grega polis. Antes a palavra não era necessária, porque não existia tal coisa. Esta vida política veio a ser partilhada por uma parte relativamente grande da população e a participação na vida política era muito valorizada pelos gregos. Esses estados, evidentemente, não tinham necessidade de uma burocracia, não havia grandes propriedades reais ou estatais que precisavam de gestão e não havia excedente econômico para apoiar uma classe burocrática. Não havia uma casta separada de sacerdotes, e houve muito pouca preocupação, não digo nenhuma preocupação, mas muito pouca preocupação com a vida após a morte, que era universalmente importante em outras civilizações."

Os gregos adoravam e reverenciavam os deuses - mas somente os deuses. Ao contrário dos persas e de outras civilizações, nenhum homem seria adorado, eles não se curvariam perante ninguém, apenas e somente aos deuses.






Nenhum comentário: