4 de out de 2009

Pedro

Meu sobrinho vai fazer sete meses - mal e mal engatinha, mas tenta andar como um novo Neil Armstrong, dando passos incertos na superfície da Lua. Curioso, todo e qualquer objeto é alvo de suas investidas - uma versão aprimorada de São Tomé que só acredita vendo, tocando e pondo na boca. Também fala uma espécie de subdialeto klingon, que pelas sobrancelhas cerradas e a cara de bravo, não entende como é que a gente não entende o que ele quer.Um telefone, uma pêra, um imã de geladeira, lâmpadas, ventiladores de teto, pilão (esse, um fetiche especial), bolas: atraído imediatamente por qualquer deles, já demonstra um pragmatismo inato e vai pulando de colo em colo até chegar aonde quer. Ninguém resiste aos bracinhos levantados e àquela carinha e pega no colo, morrendo de orgulho por ter sido alvo de uma manifestação espontânea de afeição do pestinha - e já ele levanta os bracinhos de novo, "pulando" pra outro colo e revelando a intenção verdadeira que é chegar perto dos imãs de geladeira, de uma fruta, de uma coisa qualquer que se mexeu. Depois de encantar todo mundo e bagunçar, pular, brincar, chorar, pegar, rir, falar, desmaia e vai dormir. E a gente, criança de novo, faz aquela coisa de minino pequeno, ahhhhhhh....


3 comentários:

Gleice disse...

É lindo mesmo!Parabéns prá essa família guerreira e feliz! E dizem que corujas só saem à noite... mas pelo que vemos na vovó e nos titios, saem de manhã, de tarde, de noite... toda hora! kkk É isso mesmo, curtam bastante! Tia Jane, quer dizer, VOVÓ JANE, você é demais! beijinhos da amiga, Gleice Eller.

debi sarmento disse...

Derreti!

Dani Costa disse...

Q lindo texto! Como ele está fofo Max!!!Não tem como resistir uma gostosura dessas!!!
Bemvindo ao mundo dos tio´s corujas!!!Bjos