23 de abr de 2009

Alimentação


Bão, deixei de lado várias coisas nos últimos anos - bebida, cigarro, café, frituras, etc. Depois de deixar o que era "mal ativo", tento aprender a me alimentar e deixar de lado hábitos arraigados - carne vermelha quase não como, coca cola ainda falta muuuuito pra conseguir deixar, verduras e frutas já incorporei... trabalhão! Burroughs tinha mais de 80 anos de vida desregrada quando, perguntado como se sentia, respondeu na bucha: "se soubesse que ia viver tanto teria me cuidado melhor"! Ainda assim, algumas coisas são difíceis: vai viver sem doce? E picolé? Millôr dizia que a comida macrobiótica é aquela que por mais que você coma você continua sempre perfeitamente subalimentado. Estava agora há pouco cozinhando legumes, cogumelos e raízes (faltou gafanhoto) e lembrando do Vinícius:

Não comerei da alface a verde pétala
Nem da cenoura as hóstias desbotadas
Deixarei as pastagens às manadas
E a quem mais aprouver fazer dieta.

Cajus hei de chupar, mangas-espadas
Talvez pouco elegantes para um poeta
Mas pêras e maçãs, deixo-as ao esteta
Que acredita no cromo das saladas.

Não nasci ruminante como os bois
Nem como os coelhos, roedor; nasci
Omnívoro; dêem-me feijão com arroz

E um bife, e um queijo forte, e parati
E eu morrerei, feliz, do coração
De ter vivido sem comer em vão

Nenhum comentário: