14 de abr de 2010

Sem choro

         é como se fosse uma guerra
onde o mau cabrito briga
         e o bom cabrito não berra

                                    *Paulo Leminski, Travelling Life

         Death without weeping é um livro da antropóloga Nancy Scheper-Hughes sobre o Nordeste brasileiro. Morte sem chorar, título que vem da tradução de um verso de Disparada, de Geraldo Vandré:

Aprendi a dizer não
Ver a morte sem chorar
E a morte, o destino, tudo
A morte e o destino, tudo
Estava fora do lugar
Eu vivo prá consertar...


         Descobri o livro através do curso Peoples and Cultures of the World, do Prof. Edward Fischer, da Vanderbilt University. O título do livro refere-se à (in)capacidade das mães de expressar dor pela perda de suas crianças - a comunidade onde ela viveu e pesquisou (Alto do Cruzeiro, Timbaúba-PE) tinha uma taxa de mortalidade infantil acima de 50%, fazendo com que a morte das crianças fosse a regra, não a exceção. As mães não mais choravam quando as crianças morriam, numa rotineirização da morte, se desapegando de seus filhos e investindo emocionalmente apenas naquelas que tinham maior chance de sobrevivência ou que atingiam determinada idade. A autora diz que o pensamento corrente de que há uma ligação instantânea entre mãe e criança é uma "crença burguesa" ocidental e está longe de ser um fenômeno universal.
         Tive uma reação forte a essa tese - de um lado a descrição que o Prof. Fischer faz das condições de pobreza da população nordestina em questão foi de um espanto que me espantou: acho que acabamos nos acostumando com as notícias de morte, pobreza e fome em grande parte do país, e ficamos cada dia menos preocupados, porque afinal temos programas de renda mínima, a economia cresce, etc., etc., acabamos nos distanciando e racionalizando esse distanciamento e alheamento em relação ao outro. Ajuda quando o outro está confinado a grotões nordestinos, não é? Aí vem o Prof. Fischer e faz uma descrição espantada de como é morrer de fome - "alguém pode imaginar como é ficar tanto tempo sem comida que o corpo literalmente começa a devorar a si próprio?!", indaga, com espanto. Deve ser realmente difícil para um americano preocupado com as taxas de obesidade da própria sociedade imaginar uma situação dessas. O óbvio horror e espanto na voz do professor trouxe à tona meus próprios espantos e horrores há tanto calados ou adormecidos, me deixando extremamente desconfortável: realmente, na oitava economia do mundo, é um espanto, um horror, uma indignidade, uma desumanidade. Como podemos chegar a um ponto de alheamento com o próximo de que até quando morrem como moscas - e crianças! - não nos indignamos mais?
         A outra parte da reação veio das vantagens (ou, no caso, larga desvantagem) de ter uma memória quase-eidética: lembrei-me de uma reportagem da Veja da minha infância, que me horrorizou na época (consegui resgatar essa reportagem hoje, no acervo digital da Veja). E o que tinha me horrorizado então era exatamente o distanciamento dos pais  - a reportagem era sobre os efeitos da seca nas famílias nordestinas, mais exatamente a mortalidade infantil, que o repórter chama de "genocídio" - a reportagem começa com a frase "Meus filhos são muito morredor". Logo mais, o mesmo pai olha sua filha mais nova e completa: "Essa aí mesmo não sei se vinga". (reportagem completa aqui).
         Achei isso tudo de uma violência inaudita. A pobreza e as condições de vida que forçam mães a se desapegarem de seus filhos, a morte não chorada, o investimento emocional em crianças que podem "vingar" - a antropóloga diz que isso é uma cultura burguesa, o amor materno, etc., mas não acredito inteiramente nisso não. A espécie humana é a de maior tempo de desenvolvimento da cria até a independência total dos filhotes - uma espécie marcadamente seletiva, com características biológicas que impelem as mães à seleção cuidadosa do macho, que é primordialmente monogâmica talvez até para um investimento conjunto no capital genético mútuo do casal (estou extrapolando um tanto do comportamento de gorilas e chimpanzés, além de conhecer muito pouco sobre o assunto)... de qualquer modo, são participantes de uma cultura, religião e sociedade que valorizam esses "instintos", sejam eles culturais, biológicos ou uma sobreposição ou interposição dos dois. Dentro disso, a vida madrasta fazer com que essas mães passem a "guardar o choro", a se desligarem emocionalmente dessa maneira, acho violentíssimo, uma violação completa da dignidade humana. As palavras de Irene Preta, moradora do Alto do Cruzeiro (Timbaúba, PE):

"Não chore pelas crianças que morreram aqui no Alto do Cruzeiro. Não gaste suas lágrimas com elas. Tenha pena de nós, chore pelas mães condenadas a viver".
Em um artigo da UFPE (aqui), a visão é um pouco diferente:
         “Um estudo premiado internacionalmente, realizado pela antropóloga americana Nancy Scheper-Hughes examina as atitudes de moradoras de uma cidade da Zona da Mata Pernambucana diante de altíssimos índices de mortalidade infantil. Muito admirada com o grau de pobreza no local (neste sentido, a visão da antropóloga lembra as comparações dos demógrafos entre continentes para ressaltar a pobreza do Nordeste) ela classifica a convivência com a mortalidade infantil como parte da “violência da vida cotidiana”, e insiste em como ocorre um endurecimento das mães diante de processos de adoecimento e de morte de filhos. Discute o abandono da esperança de sobrevivência de filhos em estados adiantados de desnutrição. Nos enterros, descreve as atitudes estóicas das mães - a pouca demonstração aberta da perda. Não cabe aqui abordar as muitas implicações interpretativas sobre a fome, a valorização da vida humana e sobre os processos de desenvolvimento desigual que este trabalho levanta. Mais uma vez, isto seria alvo de outro estudo fascinante e doloroso.
         O trabalho de Scheper-Hughes ainda suscitou uma resposta de outras antropólogas, mais culturalistas e menos estruturalistas, alegando que o estudo tinha errado o alvo porque a Professora Scheper-Hughes não soube entender os significados de certas crenças sobre as implicações de lamentações muito emotivas com derrame de muitas lágrimas. No artigo chamado “Anjos com asas molhadas não voam” estas antropólogas mostram que, de acordo com a visão nordestina do caminho percorrido por "anjinhos" para chegar no céu, uma lamentação com muitas lágrimas poderia impedir que os bebês que morreram chegassem a alcançar o seu devido lugar no céu. E há diversas outras implicações culturais discutidas.”
         Para mim, essa idéia de que "anjos de asas molhadas não voam" é uma violência ainda maior, uma vez que racionaliza a perda com a perspectiva de ida direta para o céu, desde que a mãe fique de boca calada e olhos secos. Um crime de lesa-humanidade cometido pela sociedade como um todo. Mas o que um estudo de 89 (entre 65 e 89) e uma reportagem de 83 tem a ver com o momento atual? Não estamos surfando a "onda BRIC"? Não temos o bolsa isso e aquilo?
         Pois semana passada a ONU divulgou um estudo em que o Brasil, oitava economia do mundo, aparece novamente como o 75º em desenvolvimento humano. "Os indicadores do Brasil em saneamento básico são, na área urbana, inferiores aos de países como Jamaica, República Dominicana e Territórios Palestinos ocupados". Mais: "O Brasil rural amarga índices africanos. O acesso a saneamento básico adequado é inferior ao registrado entre camponeses de nações imersas em conflitos internos, como Sudão e Afeganistão". E isso numa época de bonança econômica sem precedentes.
         Agora, na próxima vez que Maluf, Arruda & Cia se locupletarem com milhões, no dia em que deputados e senadores aprovarem medidas de "alívio tributário" a gigantes empresariais, ou Lulinha ganhar milhões em uma empresa de jogos por conta do papai, ou José Dirceu "assessorar" uma empresa a comprar cabos a R$ 1,00 e depois vender ao governo por R$ 6.000.000.000,00 - deviam ser todos julgados em Haia, além de condenados a ir em todos os enterros de anjinho do país, compungidos, segurando velas - e chorando! Cada vez que desviam centavos ou milhões ou legislam em causa própria, podiam muito bem cortar os intermediários - fome, miséria e congêneres -, pegar um machado e matarem eles mesmos as criancinhas. E cada um que votar nesse povo pega numa pontinha do machado e na alcinha do caixão. Pronto, desabafei. Ando comunista de tudo esses dias (mas, como dizia Tancredo, pra esquerda eu não vou, não adianta empurrar).


*Alguns capítulos do livro aqui.

* Link para o livro no Google Books aqui.

* Reli e o post tá uns dois tons acima do desejável... tô parecendo um Gustavo Corção de Salinas. Mas vá lá, essa moça e o estudo tiveram um impacto emocional forte em mim.

Nenhum comentário: