11 de mar de 2010

Entrevista com João Cabral de Melo Neto

Um dos meus "tesouros" guardados é a coleção da Revista 34 Letras, que foi publicada, se não me engano, entre 1988 e 1990 - saíram apenas sete números. Nos últimos anos consegui comprar todos. O número 3 é especial: tem uma das maiores (e melhores) entrevista já feita com João Cabral de Melo Neto, onde ele fala de tudo: processo criativo, relações com o concretismo, amizade com Miró, poesia, crítica, etc. No fim do post, um link para download da entrevista, em PDF (ainda não corrigi, só escaneei, portanto, agradeço se apontarem erros no processo). Vou publicar também alguns trechos: o primeiro, João falando de João - João Cabral falando do processo criativo e da fabricação da linguagem de João Guimarães Rosa (na verdade, no meio de uma consideração sobre escritores pernambucanos...). 


João Cabral - Pois é. Pernambuco é um estado bastante diferenciado. Tem poemas meus em que eu procuro dar a ver o sertão, que são o contrário daquele poema. Aquele é um poema de um recifense. Porque as frutas do Recife são muito boas. Você vai para o interior a manga não tem o mesmo gosto. O terreno do Recife, alagado como ele é, é muito melhor para fruta do que o terreno do sertão, ou do agreste. Gilberto Freyre, por exemplo, é um escritor da zona da mata. José Lins do Rego é um escritor da zona da mata. Ariano Suassuna é um escritor do sertão. José Américo de Almeida é um escritor do brejo paraíbano. Graciliano é um escritor do sertão alagoano. Pernambuco, como é um estado sobre a horizontal, tem coisas inteiramente diferenciadas. O meu esforço é dar a ver tanto a zona da mata e o agreste e o sertão. Porque eu podia ser um sujeito puramente da zona da mata, como você sente, por exemplo, num livro de Gilberto, que eu acho uma beleza como prosa.

Ninguém escreveu em português
no brasileiro de sua língua:
esse à-vontade que é o da rede,
dos alpendres, da alma mestiça,
medindo sua prosa de sesta,
ou prosa de quem se espreguiça.

Casa Grande & Senzala Quarenta Anos in "Museu de Tudo", in "Museu de Tudo e Depois" - Poesias Completas lI, Nova Fronteira, 1988, RJ
Gilberto podia ter todos os defeitos do mundo, mas quando alguém vem com Guimarães Rosa para cima de mim eu digo não, ele escrevia numa língua fabricada! Tinha o gênio. Um gênio que nem sempre Joyce tinha. Joyce quando inventava uma palavra, essa palavra não parecia irlandesa. Essa palavra parecia cosmopolita. Agora quando Guimarães Rosa inventa uma palavra, essa palavra parece uma palavra caipira de Minas. Então todo mundo vê aquilo e pensa que é uma expressão que ele ouviu em Minas. Eu o conheci muito bem, e ele falava para você: "Não, essa palavra eu fiz". Por exemplo: Sagarana. Ele fez com Saga, que é um negócio nórdico, e rana que parece que em tupi quer dizer como. Sagarana quer dizer Como Saga... A palavra soa como se fosse uma palavra brasileira. Eu me lembro que Guimarães Rosa gostava de conversar comigo sobre esse negócio de fabricação da escrita. E ele me mostrava coisas que eu confesso que estranhava. Eu me lembro que quando saiu Corpo de Baile, eu estava no Itamaraty nesse tempo, e então ele me perguntou: "Você tá lendo?" Eu disse: "Tô lendo". "Em que parte você está?" "Ah bom, eu não sei em que página eu estou". "Você já passou naquele pedaço?" É um conto muito bonito em que tem uma onça ameaçando um rebanho de gado. Então o touro fica no meio, cercado pelas vacas, e fica em pé para enfrentar a onça, se ela ousar se aproximar das vacas que ficam ao redor dele. Não estou bem lembrado, mas parece que a onça avança e o touro mete uma chifrada nela, e está claro que o sangue jorra. Ele me perguntou então: "Chegou naquela parte?" "Cheguei". "E você não viu?". Digo: "Não". Ele diz na passagem que o sangue jorra, ou sai num jato, o sangue brotou como um jato, a idéia é essa. "Você viu que no fim daquela frase tem um ponto de exclamação?" Eu digo "Vi". "Agora você não notou no livro que o ponto de exclamação está diferente?" Eu digo: "Não, por quê?". Ele disse: "Porque o ponto de exclamação tem um ponto antes e outro depois" (nota: .!.). Eu disse: "E daí?" Ele disse: "É para dar a idéia de um jato". Quer dizer, é um negócio fantástico, ninguém notou isso. Eu notei porque ele me chamou a atenção. Então realmente o que ele fez dá a impressão de uma fonte jorrando. Se você se fixar na tipografia, você vai pensar que aquilo é um erro de revisão. E ele fez aquilo de propósito. E o Rosa tinha dessas coisas, que ao mesmo tempo só ele compreendia, porque se ele não dissesse esse negócio... Vocês teriam notado isso?



Clique aqui para obter a entrevista completa (pode ser que apareça uma tela oferecendo uma conta no site, mas é só fechá-la e a imagem abaixo deve aparecer, depois do que é só clicar e fazer o download).

Um comentário:

Anônimo disse...

Olá, agradeço a bela iniciativa de escanear a entrevista com João Cabral! Gostaria muito de a ler na íntegra, mas não estou conseguindo baixá-la em pdf. Como faço para ter acesso a ela?